Browsing Category

Comida brasileira

Comida brasileira, Cozinha Natural, Cozinhar

Hommus de feijão fradinho com beterraba e Pastinha de Semente de Girassol

18 de abril de 2017

Confira duas receitas exclusivas de pastas saborosas e fáceis de fazer

Sempre gosto de ter pastas e patês em casa, porque você nunca sabe quem pode aparecer, se surge uma festa de última hora, se a madrugada vai ser longa e por aí vai. Fiz estas receitas para receber meus amigos em um “Sarau Jantar da Sabrina”, que fiz aqui na minha casa. Como eu já estava na rua e tinha pouco tempo, tive que deixar tudo previamente arrumadinho pra dar tempo de fazer tudo. Por isso eu digo: se eu fiz tudo em uma hora e meia, você também faz. Coloca a Dona Onete no Spotify, pega aquela cachacinha e vai.

#dica- Deixe de molho as leguminosas

Quando trabalhamos com leguminosas (feijão, grão de bico, lentilha) é recomendável que você deixe de molho, senão um dia antes, com pelo menos duas horas de antecedência. Isso ajuda no cozimento e também para a digestão desses alimentos. Com as sementes, como a de Girassol, que usei na receita, também. Vai facilitar pra processá-las e dar mais cremosidade na sua pastinha.

As duas receitas que compartilho com você são exclusivas e dificilmente você encontra pra comprar em delicatesses ou rotisseries (aquelas lojas chiques que vendem coisas como frios, queijos, pães, patês, antepastos) sabe por quê? Por que as pastas e patês quase sempre levam queijo, creme de leite ou maionese, que são os ingredientes mais comuns. Mas, seus problemas acabaram! 

Nem o Homus de Feijão Fradinho com beterraba e nem a Pastinha de Semente de Girassol levam leite ou queijo em suas preparações: só feijão fradinho, beterraba, tahine, azeite, limão e a semente de girassol. Olha, é simplesmente delicioso, rende bastante e elas podem ser usadas como antepasto (veja na foto) ou como recheio de sanduíches e tortas. Curtiu? Então, olha como é fácil fazer. 

Legumes, vegetais, cogumelos e nuts substituem o pão para acompanhar as pastinhas.

 

Homus de Feijão Fradinho com Beterraba

A páprica doce dá um sabor super especial ao Homus com beterraba. Se não tiver, pode ser a páprica picante ou pimenta caiena. Se não tiver Feijão Fradinho, pode ser: lentilha, feijão branco, ervilha e até soja. 

Ingredientes

1 beterraba média

1 xícara (chá) de feijão fradinho

Água (para cozinhar o feijão e a beterraba)

2 colheres sopa de tahine (pasta de gergelim)

Suco de 1 limão

1 dente de alho

Sal marinho

1 colher de sobremesa de Páprica doce

4 colheres (sopa de azeite de oliva)

Como fazer:

  1. Se você já deixou previamente de molho o feijão, coloque na panela de pressão e cubra com a água. Cozinhe por 25 minutos. Reserve a água do cozimento. Se não, deixe-o de molho por duas horas em água morna. Proceda da mesma maneira.
  2. Descasque e cozinhe a beterraba por 15 minutos.
  3. Em um processador ou liquidificador na função Pulsar, misture: o feijão cozido, a beterraba cozida (sem a água do cozimento), o alho, o tahine, o suco de limão e o azeite de oliva. Processe até virar uma pasta, caso queira, acrescente um pouco da água do cozimento do feijão para deixar menos espesso.
  4. Finalize com o sal e a páprica.
  5. Se quiser, coloque pimenta do reino moída na hora.
  6. Reserve em geladeira até a hora de servir.
  7. O Homus dura até 3 dias na geladeira.
  8. A água do cozimento do feijão e de beterraba podem ser usada para sopas, caldos ou ainda, no caso da beterraba, para sucos com laranja, cenoura e morango. Não joga comida fora, tá!?

Pastinha de Semente de Girassol

Esta pastinha fica ótima pra recheio de panquecas e tartelettes, pois ela fica com uma consistência que lembra a ricota, porém, mais crocante.

Ingredientes

1 xícara (chá) de semente de girassol

1 limão Siciliano (você vai usar metade do limão, a outra metade pode ser usada pra aromatizar a água)

1 dente de alho pequeno

Folhas de manjericão, orégano ou hortelã (frescos)

4 colheres de sopa de azeite de oliva

Sal e pimenta

Como fazer: 

Deixe molho as sementes de girassol por pelo menos um dia, senão, deixe-as de molho em água morna por 1h.

  1. Em um processador ou liquidificador no modo pulsar, bata: as sementes sem a água, o azeite, o suco de limão, as ervas frescas e o alho. Acerte a textura com um pouco de água morna, se for preciso.
  2. Finalize com o sal e a pimenta a gosto.
  3. A pastinha dura até dois dias na geladeira.

 

Se você fizer a receita, me mostra o resultado lá na página do Tempero Mental, combinado?

Comida brasileira, Cozinha Natural

Aprenda a preparar painço

30 de março de 2017

Fui conhecer o Painço em uma receita da Bela Gil (acho que era um refogado) e então pesquisei pra ver como se preparava o grão e se era fácil de achar em Curitiba. Primeiro, fiquei sabendo que ele é vendido com casca e sem casca. Bela Gil menciona que não se come com a casca, pois ela é muito fibrosa. Eu testei duas receitas: uma com a casca e a outra sem. Olha, com a casca deu bom sim.

 

Humanos podem comer painço?

 

O Painço também é uma semente que os passarinhos adoram, mas é muito possível e barato incluir painço na alimentação humana, pois além de nutritivo, ele é um carboidrato “bão” que promove a saciedade e libera açúcar aos pouquinhos no corpo.  Sugiro que no início, você procure pelo painço sem casca. O sabor e a textura lembram mesmo a quinoa e a linhaça. Pra ficar crocante o ideal é cozinhar com menos água e em menos tempo. Rende bastante e dá pra fazer um monte de coisa: finalizar saladas, fazer granola salgada ou até doce, usar no pão, farofas, etc.

 

Onde comprar Painço?

Em lojinhas de produtos naturais, que vendem grãos, sementes, cereais, ervas, temperos e condimentos a granel, você acha fácil. Em Curitiba, recomendo a Pop House Alimentos, que fica na Rua  Mariano Torres, 948 – Centro (tenha paciência e saiba o que você quer e a sua experiência será mais proveitosa, pois sempre está cheio e o pessoal faz o que pode pra atender bem).

Painço em grãos- alimento nutritivo e barato

Prepare o painço

Agora que você sabe o que é e como comprar o painço, é hora de cozinhar. Duas xícaras de painço, quatro de água ou caldo. Leva aí entre 25 e 30 minutinhos cozinhando. Separe a quantidade que você vai usar e armazene o restante. Eu usei em duas receitas. Uma, com a casca, foi uma Farofa com pimenta doce e pimentão verde pra acompanhar um Vatapá de Palmito, que eu já tinha pronto. A outra receita, foi somente os grãos (sem casca), temperados com laranja, raspas de limão, pimenta do reino, sal e salsa, pra salada de pote com agrião, berinjela grelhada, tomate cereja, pepino e abacate (ficou muito boa!). Bom, confere aí a receita da farofa e me conta depois o que achou.

Farofa de Painço com pimenta doce e pimentão

Farofa de painço, pimenta doce e pimentão

1 xícara de painço já cozido (eu cozinhei os grãos em caldo, por isso ficou mais escuro)

Meia cebola

Uma colher de sopa de óleo de coco

Meia xícara de pimentão verde

Meia xícara de pimenta doce ou pimentão vermelho

Sal

Pimenta a gosto

Como fazer

  1. Aqueça uma panela ou frigideira.
  2. Acrescente o óleo de coco e refogue a cebola até dourar.
  3. Coloque a pimenta doce ou pimentão vermelho.
  4. Coloque o pimentão verde.
  5. Acrescente o painço.
  6. Misture tudo e deixe dourar um pouco.
  7. Finalize acertando o sal e a pimenta.
  • Eu não tinha coentro na hora, mas acho que ficaria muito bom.

 

Barateza, Comida brasileira

Variar os alimentos é o segredo da alimentação vegetariana saudável

7 de março de 2017

A inspiração para este post veio a partir da leitura da matéria Dispensar carnes é possível com boa combinação de alimentos publicada no Estadão. A jornalista Juliana Carreiro faz uma boa reflexão sobre como é possível dispensar as proteínas de origem animal e ter uma alimentação vegetariana saudável. Eu não só acho perfeitamente possível, como pratico isso há muito tempo. Não sou vegana, mas 80% da minha alimentação não tem nada de proteína animal, não só por motivos vários que não cabem aqui, mas também porque a cozinha vegetariana e natural é ainda um universo que precisa ser melhor explorado por nós, brasileiros.

Diversificar os alimentos é uma forma de ter uma alimentação vegetariana mais saudável

Muita gente (ainda) associa a comida vegetariana a proteína de soja, as frituras, aos lanches, como “cachorro-quente”, pizzas e hambúrguer. Claro que isso também faz parte, é uma maneira de trazer um público que curte este tipo de comida para conhecer as versões vegetarianas e não deixar os vegetarianos “órfãos” destes quitutes, mas, além disso, a comida natural, a cozinha sem a carne e sem as proteínas de origem animal representam verdadeiros desafios tanto para os cozinheiros, quanto para quem está mudando os seus hábitos. Quando começamos a ter hábitos mais “naturebas”, inevitavelmente o paladar começa a ficar mais exigente e os alimentos industrializados, o açúcar, o excesso de sal, a maionese, margarina, etc., começam a não fazer mais sentido… Aí, que a mágica acontece: a gente começa a criar novos sabores e combinações.

Saladas que combinem frutas, legumes e verduras são ótimas para incrementar qualquer refeição

Esse é o segredo da alimentação vegetariana saudável: variar os tipos de alimentos e combiná-los para que a gente consiga suprir as nossas necessidades diárias de nutrientes. Por isso, não é porque a pessoa é vegana e come todo dia pizza de tofu e coxinha de jaca, que ela é mais saudável do que o cara que come carne e massa no refeitório da firma. É preciso combinar os alimentos para que haja esse equilíbrio. 

Mas, tem gente que sempre me diz isso: mas é muito caro comer bem! ou ainda, se eu dispensar a carne eu passo fome. Será mesmo? Olha o desafio: sugerimos algumas combinações de alimentos para o almoço. Tenta fazer isso por um ou dois dias. Depois, você troca as preparações, inventa as suas.. Hoje vou falar do almoço, mas em seguida posto sobre o café da manhã e jantar, ok? 

Dicas gerais

  • Se for comer em casa, tenha sempre: temperos variados (orégano, páprica, tempero árabe, pimenta síria, pimenta caiena). Se der, tenha também uns temperos frescos, como salsa, manjericão, coentro e cebolinha. Assim você varia o sabor das suas receitas, sem gastar muito.
  • Quando sobrar um dinheirinho, procure comprar: Tahine, Shoyu, sementes (gergelim, semente de girassol) e oleaginosas (nozes, amendoim, castanha). Estes são ingredientes que vão dar aquele “plus” e você vai sentir que não está comendo a mesma coisa todo dia.
  • Quando você receber o 13o salário ou uma herança- Compre um processador de alimentos e um Spiralizer- O processador vai ajudar você a criar mais receitas como leites vegetais, preparados para molhos, bases e etc. O Spiralizer simplesmente vai transformar aquele legume que seria refogado em super espirais, variando a forma e a textura do alimento.

Sugestões para o seu Almoço: 

SEGUNDA- Arroz+feijão+legumes salteados com óleo de coco+salada de alface, pepino e tomate.

TERÇA- Lentilha+cevadinha+berinjela grelhada + brócolis.

QUARTA- Abóbora + cogumelo+ arroz de coco + salada de abobrinha e pepino.

QUINTA- Abobrinha recheada com lentilha e cenoura + salada de pepino, cebola e tomate + purê de couve flor.

SEXTA- Arroz + feijão+couve refogada+ banana grelhada+ salada de chuchu

SÁBADO- Salada de grão de bico+abobrinha grelhada e salada verde.

DOMINGO- Chili de lentilhas e cogumelos + salada de tomates, cebola, pepino e abacate.

SEGUNDA- Feijão+ quiabo+farofa de cenoura e talos+salada de tomate e alface.

 

Hey! Aproveita e segue o Tempero no Insta. Tem um monte de dicas por lá.

Comida brasileira, Cozinha Natural

Duas formas para aproveitar a banana e NUNCA mais jogar fora

21 de fevereiro de 2017

Maneiras práticas e deliciosas de consumir a fruta mais popular do Brasil

Se existe uma fruta que é acessível para a maioria dos brasileiros, é a banana. Pra se ter uma ideia, o consumo médio é de 27 quilos de banana por pessoa no Brasil, 16 a mais do que a média no mundo. Algumas variedades das bananas mais consumidas no país são: a banana-nanica (nossa famosa banana caturra ou banana-anã) usada para vitaminas, doces, bolos e tortas, a banana da terra, que é consumida grelhada, frita ou ainda ensopada, como na moqueca, e a banana-prata, muito usada para doces, como a bananada ou ainda para sorvetes e cremes à base de banana.

A durabilidade da banana é curta, o que não significa dizer que ao menor sinal de fruta “feinha” batidinha ou meio passada, você tenha que jogar a fruta fora. Inclusive a própria casca da fruta é usada para fazer docinhos, bolo ou ainda ser utilizada como adubo orgânico para plantas. Bom, por isso, veja agora duas dicas pra você aproveitar a banana de maneiras diferentes e deliciosas.

Estas bananas estão ideais para o preparo de doces, tortas e sorvetes.

#1- Congele a banana- Quando a banana, principalmente a caturra ou a prata, estiverem maduras, e você perceber que a casca está quase ficando mais escura, descasque e corte a banana em rodelas, guarde em um saquinho e congele. Pra usar, basta bater ou processar a banana com leite vegetal, leite de coco, frutas e consumir como vitamina ou smoothie, por exemplo. No e-book eu sugiro uma receita muito boa com a banana congelada combinada com outras frutas.

 

Corte em rodelas e guarde em um saco plástico.

 

Elas vão ficar assim. Tire do congelador somente quando for usar.

#2- Substituto de ovos para receitas vegetarianas- Há diversas formas de substituir os ovos nas preparações vegetarianas e tudo vai depender do que você quer preparar. A banana madura amassada é muito boa para receitas de bolos, muffins ou cookies. Porém, o sabor da banana é bem pronunciado, se você não gosta muito, coloque cacau, coco ou especiarias, como a canela.

Olha uma torta que fiz com as bananas congeladas!

Esta receita fez o maior sucesso no Instagram. É só banana congelada com leite de coco e chocolate. Faz algumas camadas e pronto! Esta base pode ser feita do jeito que você quiser.

Gostou? Não esquece de seguir a gente no Instagram e conferir nossas dicas pra inspirar você a ter uma vida mais natural e gostosa.

Comida brasileira, Cozinha Natural, receitas vegetarianas

Comida natural e deliciosa: receitas incríveis para você comer bem sem gastar muito

19 de fevereiro de 2017

 Comer bem e de maneira natural não precisa ser algo monótono e sem sabor. Que tal aprender a preparar refeições, lanches e pratos completos com frutas, verduras e legumes da estação, gastando menos e comendo com qualidade? Esta é a nossa proposta com o e-Book Receitas Práticas e Baratas para um verão natural. Compartilhamos receitas exclusivas para quem quer ter uma alimentação com menos ingredientes industrializados e usando ingredientes que estão disponíveis para a maioria das pessoas.

Versão vegan da maionese leva poucos ingredientes e é uma das receitas exclusivas do e-book

Você vai encontrar 5 receitas especiais para o verão e mais duas receitas extras, que você pode preparar sempre que quiser variar o cardápio. Aliás, este é o nosso objetivo com este e-book: oferecer sugestões para que você possa variar as suas refeições diárias. Você vai ver que com um pouco de criatividade, é possível transformar aquilo que comemos e oferecemos para os outros. Com isso você vai sentir mais prazer em comer e preparar a sua comida. Que tal começar hoje mesmo?

Baixe grátis o e-Book: Receitas Práticas e Baratas para um verão natural e compartilhe essas receitas  com quem você gosta!

Comida brasileira, Cozinha coletiva, Cozinha Natural, Cozinhar

Cozinhar é coletivo

5 de dezembro de 2016
Feijuca da Bela

Feijuca da Bela

Em outubro, eu e a Isabela Faust- Cozinheira, Confeiteira Natural e aventureira profissional- resolvemos inventar moda e cozinhamos juntas no Coletivo Alimentar, um lugar bacaníssimo em Curitiba, que tem o objetivo de valorizar produtos, produtores e cozinheiros locais. No Coletivo, além de pessoas ótimas, você acha boa comida, café bom, insumos que vem de Agricultura Familiar, orgânicos, cerâmicas lindas, produtos de artesãos locais, etc, etc.  Aliás, este tipo de negócio, que reúne diversos profissionais independentes, está se tornando muito comum na capital paranaense. Esta é uma dinâmica muito interessante, porque são estes movimentos “alternativos” que dão uma renovada nos serviços, nos bares, nos negócios locais. Eu sou uma verdadeira entusiasta deste pequenos negócios e quando posso estou em todas.

Só pra contar pra vocês o que a gente inventou. Como a proposta era uma comida de Boteco, porém Vegetariana, eu e a Bela, fizemos um cardápio bem simples de Feijoada Vegetariana, Bolinho de Vatapá, Salada de Pupunha com Capim Cidreira e Farofa de Castanha de Caju e Berinjelonça, que é uma “leitura” da Carne de Onça, petisco típico aqui de Curitiba, que leva carne crua, cebola, mostarda e outros temperos. Dá uma olhadinha nas fotos.

Bolinho de Vatapá da Bela com Vinagrete e Chutney de Pimenta Cambuci

Bolinho de Vatapá da Bela com Vinagrete e Chutney de Pimenta Cambuci

Broa preta, Iscas de Berinjela, Cebolinha e Mostarda.

Broa preta, Iscas de Berinjela, Cebolinha e Mostarda.

A Berinjelonça é feita com a Berinjela Cortada em fatias finas. O esquema da Berinjela, sempre que você for usar, é deixar de molho por pelo menos 30 min. Isso tira o amargor dela. Aí é refogar a cebola com azeite, acrescentar as iscas de berinjela, molho inglês, sal, pimenta, páprica picante e claro, uma cachaça. Aí é: ou manteiga na Broa (pra quem é Ovo-lacto) ou Maionese Vegan, Berinjela, Cheiro Verde, mostarda e azeite. Pronto! Até quem não é vegetariano, vai curtir!!

Barateza, Comida brasileira, Comida de freela, Cozinhar é resistir

Quais são os valores que movem o TemperoMental

1 de fevereiro de 2016

O Tempero Mental surgiu há uns 8 anos atrás, muito antes do Instagram dar o ar de sua graça. A gente tirava as fotos dos nossos pratos com os ingredientes que tínhamos na geladeira, com uma câmera digital, que hoje é praticamente dada de graça por aí. Naquele tempo, eu ainda estava fazendo jornalismo e só depois, fui inventar de fazer Gastronomia, parcelar um celular melhor e por aí vai. De lá pra cá, mudamos e tentamos entender a dinâmica que move o mundo da cozinha e da comida.

De uma coisa temos certeza: tem espaço pra todo mundo. Mas, nós, gostamos de falar de algumas coisas mais do que outras. Por isso, você sempre vai encontrar por aqui:

  • Comida brasileira
  • Comida Vegetariana
  • Comida Vegana
  • Experiências coletivas
  • História da alimentação
  • Amizade e alegria por meio da cozinha (e da comida, claro)
  • Agricultura familiar
  • Colaboração
  • Orgânicos
  • Produção local
  • Troca de conhecimento
  • Baratezas
  • Receitas Adaptadas
  • Aproveitamento integral dos alimentos
  • PANC
  • Técnicas de cozinha para tod@s
  • Muita cozinha
  • Valorização do alimento bom e seguro pra todo mundo.
  • Muita cozinha, de novo.

O que você não vai encontrar:

  • Dicas de restaurantes “bons x  ruins”
  • O que você deve comer ou não
  • Quais alimentos são “bons” ou “maus”.
  • Críticas a restaurantes, bares, etc.
  • Dicas pra você emagrecer
  • Notícias gourmet
  • Nutricionismo
  • Agropecuária
  • Dicas detox
  • Dicas para você ter  mais músculos

A gente tem como meta compartilhar conhecimento e trocar experiências sobre a cozinha em sua formas e expressões mais simples, sempre dialogando com as maneiras alternativas de se relacionar com o alimento. Além disso, buscamos valorizar, sobretudo, as pessoas que trabalham pra levar a comida pra você, a produção local e a cultura da comida e da cozinha artesanal.