Browsing Category

Comida de verdade

Comida de verdade, Cozinha Natural, Receitas Veganas Práticas

Erros comuns ao fazer pão

22 de maio de 2017

Erros comuns podem comprometer a qualidade do seu pão caseiro

Fazer pão é uma das atividades na cozinha que eu mais gosto. Ver a massa crescer, depois dar forma, esperar, assar… Aprendi há uns dois anos como fazer pães de fermentação natural e aí, as madrugadas nunca mais foram as mesmas, porque diferente do fermento biológico industrializado, a fermentação demora um pouco mais. 

Neste post vou falar de tudo o que pode dar errado na hora de você fazer o pão em casa. Depois que assa ele “murcha”? Será que se usa água quente ou gelada? Por que ele parece que está “abatumado”? Selecionei alguns dos principais erros e agora compartilho com você.

1- A massa não está boa, então taca mais trigo! Não faz isso. Cada um tem uma receita pra fazer seu pão, o mestre Renê, ensinou uma fórmula (trigo é 100%, água (hidratação 65, 70%, fermento 1% e sal 10%). Pra 500g de trigo, 325 de água, 1g de fermento e 10 gramas de sal. Precisa misturar bem os ingredientes antes de sovar. Aposte na qualidade do trigo e da água, sempre. Quanto mais proteína tiver a sua farinha, melhor será o pão. 

Estas são farinhas encontradas nos supermercados. A quantidade de proteína não é tão alta, mas é o que geralmente tem disponível. Marcas como Marfil tem farinhas orgânicas com mais proteína.

2- Misturar o sal junto com o fermento- Nunca. Aprendi também com Renê, que isso pode “matar” o fermento. O ideal é acrescentar o sal só no final. A qualidade do fermento, o clima, a temperatura, etc., são fatores que vão influenciar muito na hora do seu pão crescer. Preste atenção a isso.

3- Não sovar direito- Pão bom foi bem sovado. A textura e a maciez vão depender diretamente de como você fez esta etapa. Então, tira aí uns 10 minutos e sove a massa com carinho.

4- Usar água muito quente ou fria pra ativar o fermento- Aqui em Curitiba é bem frio, então o ideal é que a água pra fazer o pão esteja aí em uma temperatura de uns 23, 24 graus. Mais do que isso, os fungos morrem e menos do que isso, eles não ativam.

5- Não deixar a massa descansar- Não é à toa que até nas embalagens de fermento, constam algumas orientações para que a massa “descanse”. São pelo menos 2 etapas de descanso: 1) depois que você sova. Média de 45 minutos (fermento comum) e natural (entre 8h e 16h) 2) depois que você dá forma pro pão, focaccia ou massa de pizza.  (Mais uma ou duas horas). 

Bom, agora que você já sabe o que deve fazer pra ter o seu pão caseiro perfeito, confere aí a nossa receita de Pãozinho semi-integral com chia e gergelim.

Pãozinho semi-integral com chia e gergelim 

250g de farinha de trigo branca

150g de farinha de trigo integral

100g de farinha de quinoa (centeio, aveia ou outra de sua preferência)

1g de fermento biológico seco (aquele comprado em supermercados)

325g de água

10g de sal

20 g de chia (reserve 10g pra cobrir os pães)

20 g de gergelim (reserve 10g pra cobrir os pães)

  1. Misture as farinhas e o fermento.
  2. Acrescente o gergelim e a chia.
  3. Acrescente a água.
  4. Acrescente o sal.
  5. Misture tudo até incorporar os ingredientes.
  6. Sove o pão em uma superfície bem limpa. Por uns 10 minutos, no mínimo.
  7. Deixe descansar por no mínimo 45 minutos ou até dobrar de volume.
  8. Depois deste tempo, modele os pães e deixe-os descansar por no mínimo 45 minutos ou até dobrar de volume.
  9. Pincele óleo de canola ou girassol e espalhe a chia e o gergelim.
  10. Pré-aqueça o forno por 15 minutos a 180 graus.
  11. Asse por 25/30 minutos.
  12. Os pãeszinhos podem ser congelados assados por até 3 meses. Embrulhe-os em alumínio, coloque em um saco plástico e descongele em temperatura ambiente antes de aquecer no forno.

Aqui é a etapa depois que o pão fermenta pela primeira vez. A gente faz as bolinhas, coloca a chia e o gergelim.

Comida de verdade, Cozinha Natural, Receitas Veganas Práticas

Smoothie colorido em três passos

17 de maio de 2017

Fácil e rápido: smoothie é uma opção vegana e deliciosa pra você variar o café da manhã

Fiz esta receita e postei lá no Instagram em homenagem aos meus amigos Igo Martini e Márcio Marins em celebração ao Dia Internacional do Combate à LGBTfobia. A intenção era se inspirar nas cores do movimento para montar uma receita que chamasse a atenção das pessoas. E deu certo 🙂 Esta receita é tão fácil, que se você quiser consegue fazer ainda hoje. Olha só:

Primeiro passo- As frutas: 1 banana prata ou caturra, sem casca, cortada em rodelas e congelada. Meia manga, meio abacate, 8 morangos, meio mamão papaya (pode ser outro), duas colheres (sopa) de açaí.

Você pode usar as frutas que tem à disposição. Aproveite as frutas que estão muito maduras e evite o desperdício de alimentos.

Segundo passo- A preparação: Tire as bananas do congelador. Elas vão dar cremosidade e consistência quando você misturar com outras frutas. Com água mesmo ou um pouco de leite de coco (duas colheres de sopa) bata na função pulsar: os morangos com metade da banana, reserve (de preferência no congelador), depois a manga, o abacate, e o mamão papaya com a outra metade da banana. Reserve cada fruta separadinha se quiser esse efeito colorido. Não precisa colocar açúcar, mas se quiser, coloca um pouco de melado ou mel.

Smoothie é uma opção gostosa e saudável para o café da manhã ou lanche.

Terceiro passo– Agora é só montar. Em um copo ou bowl, coloque: açaí, o abacate, a manga, o mamão e o creme de morangos. Coloca granola, as frutas que você quiser e pronto! Só postar no Instagram e mostrar pra gente como ficou.

Comida de verdade

Baixe o livro “Em defesa da comida” do autor Michael Pollan

31 de janeiro de 2017

Um manifesto em defesa da comida e da cozinha, embasado a partir de dados jornalísticos, referências científicas e amplo aporte bibliográfico, faz deste livro uma referência fundamental em estudos de alimentação, consumo, meio ambiente, cultura alimentar e sociedade. Para quem se interessa por essas temáticas, o autor faz uma crítica bem interessante sobre o nutricionismo, isto é, a ideologia sustentada pela indústria alimentícia, mídia e governo sobre o que deve ser consumido. Neste ponto, ele questiona porque acreditamos que alguns alimentos vendidos nos supermercados trazem benefícios para a saúde enquanto deixamos de lado o consumo de alimentos naturais, que são repletos de nutrientes.

O livro todo vale a leitura, mas o que eu considero bem importante é a análise que Pollan faz sobre como podemos nos alimentar melhor e com mais prazer. Ele é bem direto: coma comida, ou melhor, “não coma nada que não possa apodrecer” e não acredite nos benefícios vendidos pela indústria de alimentos, como os alimentos enriquecidos ou aqueles que prometem milagres. O autor defende um ponto que eu acho essencial pra pensar a comida, que é pensar o alimento em todo o seu contexto cultural e social, e não apenas nos aspectos nutricionais.

Ah, não esqueça de consultar ao final, a lista de referências e sites divididos por temas e categorias. É muito material para quem estuda alimentação, nutrição e mídia alimentar.  

Baixe aqui: em-defesa-da-comida